Últimas Notícias da TelexFree de hoje, quinta-feira (06/02/2014)

Depois de todo esse tempo sendo acusada de pirâmide financeira, a TelexFREE ainda não teve um veredicto decretado pela justiça. O mais surpreendente foi a declaração do governador do Acre, Tião Viana(PT), que fielmente apareceu num vídeo afirmando sua defensoria em relação a empresa. Segundo a assessoria do governo, Viana estava disposto apenas a esclarecer boatos divulgados nas redes sociais.

Para aqueles que aguardam a conclusão deste processo, só resta mesmo torcer para que a decisão tomada não traga malefícios com os integrantes que investiram e infelizmente não foram recompensados. Logo abaixo vocês poderão visualizar o vídeo divulgado pela própria TelexFREE, onde o governador Tião Viana expressa sua opinião sobre a mesma.

Últimas Notícias da ‘TelexFree’ de hoje, quinta-feira 12/12/2013

TELEX-FREE
A Telexfree, suspeita de ser uma pirâmide financeira, pedirá à Justiça que uma outra empresa possa assumir as dívidas com os divulgadores – como são chamadas as pessoas que investiram no negócio. A proposta, conhecida como sub-rogação, foi apresentada em um vídeo no qual o diretor da investigada, Carlos Costa, admite a possibilidade de derrota na Justiça.

As atividades da Telexfree, que alega vender pacotes de telefonia VoIP por meio de marketing multinível, estão bloqueadas há 174 dias. O pedido foi feito pelo Ministério Público do Acre (MP-AC), que pede a extinção da empresa e a devolução do dinheiro aos divulgadores.

A medida causou uma enxurrada de ações contra a Telexfree, pois os investimentos desses divulgadores – cerca de 1 milhão no Brasil – também estão congelados. Mesmo quem ganha processos – como um ex-conselheiro do Procon de Mato Grosso – não conseguem obter os recursos determinados pela Justiça.

Os representantes da Telexfree, que sempre negaram irregularidades, recusam-se a pôr fim ao negócio e fazer o ressarcimento. Num vídeo divulgado na última sexta-feira (9), entretanto, o diretor Carlos Costa apresentou a subrogação como uma maneira de os divulgadores recuperarem seus investimentos.

“Ela [a empresa sub-rogada] estaria comprando do divulgador o potencial direito que ele viria a ter nessa causa caso a empresa perca [a ação judicial]”, disse Carlos Costa, sem esclarecer qual é essa empresa.

Costa também deixou claro que a devolução envolveria apenas os valores investidos – ou seja, os expressivos lucros negócio estão fora de questão –, e beneficiaria unicamente os divulgadores que não conseguiram recuperar o que colocaram no negócio.

“Quero explicar para vocês quem são os divulgadores que têm direito a essa sub-rogação ou mesmo a uma possível devolução”, disse Costa. “São aqueles que não tiveram seus investimentos de volta, (…) aquela pessoa que entrou na Telexfree atraves da Ympactus [razão social da empresa] aqui no Brasil, investiu seu dinheiro nas nossas contas VoIP e não teve o retorno do seu dinheiro, afirmou.

A Telexfree já começou a levantar os dados desses possíveis beneficiários, segundo Costa, que disse esperar para a semana que vem uma manifestação da Justiça sobre a proposta de sub-rogação.

A proposta seria feita pela empresa compradora aos próprios divulgadores – que, certamente, teriam de oferecer algum desconto no valor total devido, segundo José Nantala Bádue Freire, do Peixoto e Cury Advogados. Ele vê, ainda, algum risco na operação.

“Se os credores se veem numa situação em que acham que não vão nada, e há alguém disposto a comprar o valor [que pode ser liberado pela Justiça], eles conseguiriam garantir ao menos uma parte do que investiram”, comenta. “Numa situação normal, esse tipo de conduta não seria questionado. O problma é que na situação específica, tudo o que vier ao conhecimento do MP pode vir a ser anulado.”

Se depender do Ministério Público do Acre, a proposta não será aceita pela Justiça. “Não se se transfere crédito oriundo de atividade ilícita para outra pessoa. Isso é um absurdo e, o que é pior, fica dando esperança às pessoas de que elas vão voltar a ganhar dinheiro com isso”, afirma Alessandra Marques, uma das promotoras que atuam no caso. “[O faturamento da Telexfree] não vem do VoIP, vem do dinheiro que cada investidor coloca na base da pirâmide. É a má-fé extrema.”

Perícia recusada

O julgamento que definirá se a Telexfree é pirâmide ou não, e se os divulgadores terão ou não direito ao ressarcimento, só deve ocorrer a partir de 2014. A Justiça havia solicitado uma auditoria nas contas da empresa, mas a prestadora procurada para fazer o levantamento se recusou a fazer o serviço, afirmou Costa, no vídeo.

Procurado, o Tribunal de Justiça do Acre não respondeu imediatamente qual será o próximo passo da ação. Os advogados da Telexfree também não atenderam as ligações feitas pela reportagem. No vídeo, entretanto, Costa voltou a negar que a empresa tenha montado uma pirâmide financeira. “De forma alguma vão conseguir provar o que não existe.”

Últimas Notícias da ‘TelexFree’ de hoje, sábado (07/12/2013)

Propaganda da Telexfree no Acre (Foto: Raissa Natani/G1)

A desembargadora Eva Evangelista decidiu a favor do Agravo de Instrumento interposto pela Promotoria de Justiça da Defesa do Consumidor do Ministério Público do Acre (MP-AC). A decisão resulta na retenção do dinheiro da Telexfree para o pagamento relacionado a dívidas de um hotel no Rio de Janeiro.

Inicialmente o dinheiro havia sido liberado pela juíza Thais Kallil, da 2ª Vara Civil da Comarca de Rio Branco, em outubro deste ano. A verba seria revestida para pagar parcelas da construção de um hotel no Rio de Janeiro de posse da empresa. A quantia não foi revelada.

De acordo com o Tribunal de justiça do Acre (TJ-AC), O MP-AC recorreu em segundo grau, ou seja, através dos desembargadores. A relatora do processo, Eva Evangelista, decidiu monocraticamente por suspender o desbloqueio. O órgão afirma ainda que a decisão não julga o mérito da ação da Telexfree, nem influência o processo de Ação Civil Pública e está relacionada apenas as dívidas do hotel.

Caso Telexfree
A Telexfree está impedida de realizar pagamentos e cadastros de divulgadores, como são chamadas as pessoas que investem na Telexfree, desde o dia 18 de junho de 2013. A empresa é acusada pelo MP-AC de realizar um esquema de pirâmide financeira sob o disfarce de empresa de marketing multinível. No último dia 21 de novembro, a 2ª Vara Cível da Comarca de Rio Branco julgou o mérito da ação, mantendo na íntegra a liminar a respeito da ação cautelar que suspendeu em todo o país as atividades da empresa.

Nos meses seguintes ao bloqueio, os advogados da Telexfree entraram com uma série de recursos na Justiça acreana pedindo a liberação das atividades. Todos, no entanto, foram negados. No final de setembro, a desembargadora do Tribunal de Justiça do Acre (TJ-AC) Cezarinete Angelim, deferiu o pedido para que o caso fosse analisado no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e no Supremo Tribunal Federal (STF).

No que diz respeito à Ação Civil Pública, não foi realizado acordo na audiência de conciliação entre o Ministério Público do Acre (MP-AC) e a direção da Telexfree. Desse modo, foi nomeada uma empresa para realizar a perícia, que será intimada para apresentar proposta de honorários

Últimas Notícias da ‘TelexFree’ de hoje, quinta-feira 28/11/2013

TELEX-FREE

O governador Tião Viana (PT), do Acre, saiu em defesa da Telexfree , acusada de ser umapirâmide financeira com 1 milhão de associados no Brasil. As declarações foram dadas uma semana antes de o Judiciário decidir se manteria ou não o processo que pede a extinção do negócio, e o bloqueio de contas e atividades da empresa, determinado há 157 dias .

Viana, ex-presidente do Senado, disse ao diretor da Telexfree, Carlos Costa, que daria perante à Justiça “testemunho em favor dessa atividade”, segundo vídeo divulgado na quarta-feira (20) na página oficial da empresa em uma rede social. O encontro ocorreu na semana anterior, durante visita de Costa a Rio Branco.

“O que eu queria lhe dizer e que você [ Carlos Costa ] pode ter assim: ‘Olha, eu tenho, do governador do Acre, um testemunho a favor dessa atividade’”, disse Viana a Carlos Costa. “E pode me usar em qualquer tribunal. Eu dizia o que eu lhe disse aqui, eu digo no STJ [ Superior Tribunal de Justiça ], eu digo em qualquer tribunal. Dou o testemunho. Porque eu não vi ninguém reclamar, como é que [alguém ] vai ser contra?”

Viana vinha sendo acusado de ter sido o responsável pelas investigações contra a Telexfree, o que o governo nega.

O secretário de Comunicação do Estado do Acre, Leonildo Rosa, afirmou desconhecer a declaração de Viana, mas defendeu a possibilidade de o titular do Executivo fazer tais comentários.

“O governador tem as opiniões dele e, num Estado Democrático de Direito, tem o pleno direto de manifestar a opinião dele, como da mesma forma algumas pessoas têm direito de questionar a opinião dele”, disse Rosa ao iG .

 

O secretário também afirmou que o assunto Telexfree mexe com “10% da população do Acre” e que, por isso, Costa foi recebido pelo governador.

“No entendimento do governador, esse é um assunto da Justiça, e o governador já falou várias vezes que ele não é contra [ a Telexfree ] porque ele entende que ninguém está sendo lesado até agora.”

Críticas e ameaças

O Judiciário do Acre tem sido alvo de pesadas críticas por parte dos sócios e apoiadores da Telexfree desde que, em junho, determinou o bloqueio das contas e atividades da empresa em todo o Brasil. Responsável pela medida, a juíza Thaís Khalil, da 2ª Vara Cível, chegou a ser ameaçada de morte.

Deputados estaduais também têm feito desagravos à empresa. A Assembleia Legislativa do Acre fez uma sessão em apoio à Telexfree, no dia em que ocorreria uma audiência de conciliação presidida pela juíza. Segundo  o deputado Moisés Diniz (PCdoB), a empresa foi acusada de ser pirâmide porque “os bancos corriam risco de não ter mais dinheiro para financiar empreiteiras”.

Em julho, o deputado Helder Paiva (PEN) já havia defendido a criação de uma comissão de parlamentares para visitar os magistrados do Tribunal de Justiça do Acre, após o bloqueio da empresa ser mantido por decisão do desembargador Samoel Evangelista .

As declarações de Viana se somaram ao coro a favor da Telexfree no momento em que a juíza Thaís Khalil se preparava para decidir se manteria o processo que pede a extinção da empresa e a devolução dos recursos os investidores. A ação foi movida pelo Ministério Público do Acre (MP-AC), que também foi responsável por solicitar o bloqueio provisório das contas e atividades.

Na última quinta-feira (21), a juíza  Thaís manteve a ação . Agora, terá de decidir se aceita os pedidos do MP-AC e condena a Telexfree ou se inocenta a empresa e põe fim ao caso. Dificilmente esse julgamento ocorrerá ainda em 2013.

Mudança de logotipo e de país

A ação contra a Telexfree atinge atualmente apenas as atividades da empresa no Brasil, onde ela foi fundada em 2010 com o nome de Ympactus Comercial. Seus proprietários, entretanto, buscam agora transferir a carteira de investidores captada no País para a Telexfree LLC, detida por eles nos Estados Unidos, e criada em 2002.

Em vídeo, o diretor da Telexfree no Brasil, Carlos Costa, disse que aceitaria pôr fim à Ympactus desde que os atuais contratos com a empresa pudessem ser ser cumpridos até o final e os associados, tivessem como alternativa “optar de participar na Telexfree americana.” O braço brasileiro também tenta transferir R$ 29 milhões para as contas nos EUA .

A Telexfree também anunciou que mudará a sua identidade visual. O anúncio foi feito no mesmo momento em que começou a circular na internet a comparação entre o atual logotipo da empresa e o de uma competição de badminton. Ambos são idênticos.

Procurada no início da noite, a Telexfree não comentou os fatos até a publicação desta reportagem.

G1

Últimas Notícias da ‘TelexFree’ de hoje, quarta-feira 27/11/2013

Mulher que pulou de edifício teria investido R$ 50 mil na Telexfree

Na última sexta-feira (22), uma mulher se atirou do quinto andar do edifício garagem de um shopping localizado em Manaíra. Informações dão conta de que ela pode ter cometido o ato porque teria uma dívida de R$ 50 mil com um banco, revertidos em investimentos na Telexfree.

O Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, na Capital, divulgou através da sua assessoria, que a mulher está internada em situação gravíssima na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), onde se recupera de um politraumatismo.

Familiares informaram que a mulher teria conseguido cerca de R$ 50 mil para investir na Telexfree, mas, como não teve retornos e a empresa foi impedida pela Justiça de continuar as operações, ela se desesperou e pulou do prédio por não ter condições de recuperar o dinheiro que havia adquirido emprestado.

TELEXFREE URGENTE 27/11/2013

Notícias Urgentes para todos os Divulgadores do Brasil e do Mundo.

Caros amigos vamos manter a calma, pois as coisas estão melhorando, mesmo que não possamos perceber.

Nada vale mais que a vida.
e àqueles sabidos que por qualquer coisa aterrorizam os divulgadores , fica aí a repreensão.

Senhor Deus, Tenha piedade de nós. Cuida de nossa vida. Nos dê discernimento nesta hora sombria.

Ao MP do ACRE e à Juíza Thaís Khallil da 2ª vara cível do Acre.

´´A RESPONSABILIDADE POR ISSO É DE VOÇÊS, E ESTAMOS DENUNCIANDO MAIS UMA VEZ AO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA.

O POVO NÃO É LIXO. MUITO AO CONTRÁRIO.´´

Nilton Lucas – Diretor Administrativo
fb/unitel.mmn
fb/autokar
http://associacaounitel.com.br/

 

Últimas Notícias da ‘TelexFree’ de hoje, segunda-feira 25/11/2013

Logotipos do campeonato BWF World Championships e da TelexFREE

Plágio?

Depois de algum tempo longe dos noticiários, a TelexFREE, empresa acusada de ser uma pirâmide financeira, voltou a ser notícia por causa da grande semelhança entre o logotipo da empresa e o símbolo criado para um torneio esportivo que aconteceu em Paris, em 2010, chamado BWF World Championships.

Os dois logotipos são praticamente idênticos. Com a exceção de duas faixas que compõem o desenho, até as cores são as mesmas. Procurado pela reportagem de EXAME.com, o advogado da TelexFREE Wilson Furtado Roberto afirmou que a empresa ainda não tem um posicionamento oficial sobre o assunto.

Até então em silêncio, na última terça-feira a marca anunciou a alteração de sua identidade visual através de um vídeo no YouTube, divulgado em seu Facebook oficial. No teaser, a companhia afirma que “A TelexFREE está se modernizando”, e prepara “uma nova marca”. Por enquanto, a marca faz mistério sobre a imagem a ser adotada.

A empresa, que vende pacotes de sistema de comunicação VoiP, é acusada pela justiça de formação de pirâmide financeira, com “investimentos” estimulados por meio de um sistema chamado de “marketing multinível”. (Editado por: ACSMtv)

Últimas Notícias da ‘TelexFree’ de hoje, terça-feira 19/11/2013

TELEX-FREE

“Investi quase R$300 mil”, contou o divulgador da Telexfree Jailson Lira, enquanto esperava a chegada do diretor da empresa Carlos Costa, ao Acre, nesta quarta-feira (13). Ele era uma das centenas de investidores que foram ao Aeroporto Internacional Plácido de Castro, em Rio Branco, para receber a comitiva que veio ao estado para acompanhar a audiência de conciliação entre os advogados da empresa e o Ministério Público do Acre (MP-AC), na quinta-feira (14).

Lira disse ter esperança que as atividades da empresa, bloqueadas desde junho de 2013, sejam liberadas logo. Assim, como muitos divulgadores, ele repete como um mantra que a empresa realizou ‘sonhos’ de muitas pessoas e que é um projeto ‘grandioso’ presente em vários países.

“Não tenho dúvida [que a empresa seja liberada]. É uma empresa que tem realizado sonhos de muitos divulgadores. O Brasil se tornou pequeno, hoje ela está em mais 171 países pelo mundo. Hoje minha confiança dobrou, antes eu confiava pelo que fez principalmente em minha família. Agora é uma certeza que quem trabalha faz com que ela cresça e vai ter sucesso”, diz.

Jailson telex acre  (Foto: Rayssa Natani/G1)

Jailson acredita que liberação das atividades da empresa está próxima (Foto: Rayssa Natani/G1)

O homem acredita ainda que problemas como o da Telexfree devem ser resolvidos com a regulamentação das empresas de marketing multinível no país. Ele pede ainda que outros divulgadores não percam a esperança de ver a empresa novamente. “Não é legalizado, mas com certeza o país vai rever isso aí e muita coisa vai mudar”, conclui.

Centenas de investidores da Telexfree recebem, no Aeroporto Internacional de Rio Branco (AC), o diretor da empresa, Carlos Costa. Um dos principais acionistas da Telexfree, ele está no Acre para acompanhar audiência de conciliação na Justiça. (Foto: Odair Leal/Folhapress)

Centenas de investidores da Telexfree recebem, no Aeroporto Internacional de Rio Branco (AC), o diretor da empresa, Carlos Costa. Um dos principais acionistas da Telexfree, ele está no Acre para acompanhar audiência de conciliação na Justiça. (Foto: Odair Leal/Folhapress)

Audiência
Um dos principais acionistas da Ympactus Comercial LTDA, razão social da empresa conhecida como Telexfree, o empresário Carlos Costa chegou ao Acre, nesta quarta-feira (13), para participar de uma audiência de conciliação a ser realizada pela 2ª Vara Cível no Fórum Barão do Rio Branco. Com ele vieram, além dos advogados da empresa, líderes de diversos grupos da Telexfree no país.

Ao sair da sala de desembarque, o diretor foi ovacionado pelos divulgadores locais que o esperavam no saguão. Costa considerou sua chegada ao Acre como um bom sinal para a empresa, impedida pela Justiça de operar desde o último dia 18 de junho. “É uma vitória”, comentou.

Entenda o caso
A Telexfree está impedida de realizar pagamentos e cadastros de divulgadores, como são chamadas as pessoas que investem na Telexfree, desde o dia 18 de junho de 2013. A empresa é acusada pelo MP-AC de realizar um esquema de pirâmide financeira sob o disfarce de empresa de marketing multinível.

O bloqueio às atividades causou descontentamento e alguns dos divulgadores realizaram diversas manifestações de protesto em todo o país. No Acre, eles chegaram a fechar as pontes que ligam o primeiro ao segundo distrito da capital, Rio Branco.

Nos meses seguintes ao bloqueio, os advogados da Telexfree entraram com uma série de recursos na Justiça acreana pedindo a liberação das atividades. Todos, no entanto, foram negados.

No final de setembro, a desembargadora do Tribunal de Justiça do Acre (TJ-AC) Cezarinete Angelim, deferiu o pedido para que o caso fosse analisado no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e no Supremo Tribunal Federal (STF).

Com o intuito de dar preferência à Ação Civil Pública que está sendo movida pelo Ministério Público do Acre, a juíza Thaís Borges, tem indeferido os pedidos individuais de ressarcimento que estão sendo movidos por diversos divulgadores.

A juíza ainda indeferiu o pedido de inversão do ônus da prova, que havia sido feito pelo Ministério Público. Dessa forma, o MP-AC é que terá que apresentar provas de que a Telexfree funcionaria como esquema de pirâmide.

A última decisão da magistrada tomada na última sexta-feira (18) foi de liberar parte do dinheiro da empresa Telexfree, para que sejam pagas parcelas da construção de um hotel no Rio de Janeiro de posse da empresa. A quantia liberada não foi revelada. (G1/ Editado: ACSMtv)

Últimas Notícias da ‘TelexFree’ de hoje, domingo 17/11/2013

Divulgador acre (Foto: Yuri Marcel / G1)

O clima ficou tenso após a audiência de conciliação entre Ministério Público do Acre (MP-AC) e a Telexfree nesta quinta-feira (14), em Rio Branco. Inconformado com o resultado da audiência, Flávio Arraz, um divulgador da empresa, acabou preso por desacato à autoridade, após ter supostamente ofendido a promotora do Ministério Público do Acre (MP-AC) Alessandra Marques, responsável pelo caso Telexfree.

Acre Alessandra Marques (Foto: Yuri Marcel/G1)

De acordo com a assessoria do órgão, a promotora teria pedido a prisão do homem após ter sido chamada de ‘diabo loiro’. No momento em que era conduzido pelos policiais, o homem disse apenas que não acreditava na ação. “Um absurdo”, comentou.

Arraz foi encaminhado para a Delegacia de Flagrantes (Defla) onde prestou depoimento e foi liberado. A promotora Alessandra Marques também depôs na Delegacia, mas saiu pelos fundos. Nenhum dos dois quis comentar o fato e o delegado responsável pelo inquérito não foi encontrado para falar sobre o caso.

Divulgador acre (Foto: Yuri Marcel / G1)

Últimas Notícias da ”TelexFree” de hoje, sexta-feira 15/11/2013

TelexFREE (Foto: Raissa Natani/G1)

Juíza vê ‘indícios de pirâmide’, mas extingue ação contra Telexfree no RN

Mesmo vendo “fortes indícios de pirâmide financeira” em um contrato firmado pela Telexfree, a juíza Welma Maria de Menezes, do 3º Juizado Especial Cível de Mossoró, extinguiu uma ação judicial, sem julgamento do mérito, ajuizada contra a empresa de marketing multinível. A autora ingressou com uma ação pedindo a restituição dos valores investidos no serviço e uma indenização por danos morais. Na sentença, a magistrada afirma que a causa apresenta complexidade não englobada pela competência dos Juizados Especiais.

Ao analisar o caso, a juíza considera a exigência de produção de prova e que para isso seria necessária a realização de perícia técnica contábil e financeira para o julgamento. A prova, segundo a magistrada, mostra-se de difícil e demorada produção, o que atenta contra os princípios da simplicidade e informalidade. Ainda de acordo com Welma Maria de Menezes, o juizado não detém qualquer corpo técnico para a formalização da prova.

A juíza frisou que decisão de igual teor será proferida em processos dessa natureza – que tenham mesmo objeto e mesma parte demandada – que porventura vierem a tramitar no juizado.

Roberto Duarte, advogado que representa a Telexfree no Acre, informou que não é responsável pelo processo que foi julgado nesta segunda e não irá se pronunciar sobre o assunto. O advogado responsável não foi encontrado para comentar o assunto.

Últimas Notícias da ”TelexFree” de hoje, quarta-feira 13/11/2013

TelexFREE (Foto: Raissa Natani/G1)

O Tribunal de Justiça do Acre (TJ-AC) julgou nesta segunda-feira (11) mais um pedido para desbloqueio de bens da empresa Telexfree. O embargo de declaração questionava uma decisão tomada anteriormente e foi solicitado por uma sócia da empresa, mas negado pela 2° Câmara Civil por entender que a solicitante não faz parte do processo inicial.

De acordo com o TJ-AC, como os principais sócios da empresa tiveram os processos ingressados na justiça acreana negados, a estratégia da empresa é solicitar os mesmos direitos negados anteriormente através de outros sócios. Porém, para o órgão, o entendimento da justiça é que não há como apreciar uma matéria judicial se o solicitante não faz parte do primeiro processo.

O TJ-AC afirma ainda que a sócia não poderá recorrer a decisão no judiciário acreano, sendo necessário apresentar outro tipo de recurso ou recorrer em uma instância superior.

Roberto Duarte, advogado que representa a Telexfree no Acre, informou que não é responsável pelo processo que foi julgado nesta segunda e não irá se pronunciar sobre o assunto. O advogado responsável não foi encontrado para comentar o assunto.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 2.160 outros seguidores